quinta-feira, junho 22, 2017

Estou a ficar como o meu pai

Se-isto-fosse-no-tempo-do-Passos, começaria o meu pai na conversa à volta das notícias da noite, PSD desde sempre, e continuaria a enumerar exemplos históricos para demonstrar como existia uma dualidade de critérios. Na altura dele era o Cavaco, mas vai dar ao mesmo. Eu não tinha idade para me ter assistido a nenhum exemplo histórico, por isso não fazia diferença. Se não aconteceram à minha frente, não aconteceram, não fazem diferença.
Mas, fosse um tipo mesmo imparcial como eu acho que sou (ahah), já estaria a exigir a cabeça do Costa, já lhe tinha chamado todos os nomes, já tinha exigido a cabeça de mais 3 ou 4 ministros pela via das dúvidas, já espumava, já tinha sonhado que estava a discutir engenharia florestal com o Costa, tudo. Mas como também já sei melhor que isto, fico calado.

quarta-feira, junho 21, 2017

A idade é um posto

Ter o dobro da idade dos estagiários dá-me um género de super-poder-telepático-ESP de perceber sempre o que se está a passar na cabeça deles: não estão a perceber nada do que eu digo.

terça-feira, junho 20, 2017

Isto é sobre notícias

​Nos primórdios da internet, quando não havia mais do que um modem de 56Kpbs ligado à linha de telefone, um gajo perdia horas à espera de imagens. Podiamos ficar parados zombies a olhar para o ecrã uns 2 minutos só para ver revelada mais uma faixa horizontal de 100 pixeis, toda borrada. Primeira passagem, 100 pixeis amassados do tamanho de selos, segunda passagem a coisa ficava melhor, mais 10 minutos e mais uma passagem, a pouco e pouco, barras de 100 pixeis de cada vez e finalmente tinhamos a imagem. A imagem podia não valer nada. Mas só quando estava acabada é que sabiamos se era boa.
Passados 20 anos, parece-me que este modo progressivo de entregar imagens serve de metáfora para muita coisa, mas encaixa mesmo bem com o jornalismo de hoje, progressivamente refinado - desde o tweet do estagiário do Correio da Manhã até à reportagem de fundo do Expresso - e só possível de consumir depois de umas boas passagens.

segunda-feira, junho 19, 2017

Regar com gasolina

Basta ter estado o fim de semana inteiro sem televisão, sem internet e sem telemóvel para perder o fio à meada e para, aterrado ontem à noite em Lisboa, seja estranho a tudo o que se passou. Imagino as centenas de horas que a televisão dedicou a tudo o que aconteceu e como as imagens, que não precisavam de legendas nem comentários, serviram de combustivel para as redes sociais, onde lhes dão significados novos. Já vi uns artigos poético-pastoris feitos para a lágrima fácil, abutres ao lado de cadaveres e muitos doutores em engenharia florestal formados em 2 dias. Uma corrida a ver quem legenda melhor o que aconteceu. Tenho saudades do tempo em que o tuga tinha vergonha de ter opiniões muito alto.

sexta-feira, junho 16, 2017

Genética

Há algo que leva os designers juniores a fazer o mesmo tipo de nheca (com más fontes semi transparentes, layers em blur, repetição de fontes) independentemente do ano em que nasceram. Sejam nascidos em 1975, 1980 ou 1995, é tudo igual. Consigo observar este fenómeno em várias gerações, regiões e níveis intelectuais. Uma estética isolada de todas as correntes que a circundam. É como se houvesse uma má fonte de onde todos bebem sem saber bem porquê.